Pesquisa mostra preferência de consumidores por lojas físicas no Black Friday

Pesquisas recentes revelaram que três em cada dez pessoas tem a intenção real de participar ativamente, por meio de aquisições no varejo, da edição 2017 do Black Friday Brasil. O levantamento, efetuado pelo SerasaConsumidor, coletou em meados de outubro dados de 4.301 pessoas residentes em diferentes localidades do país. Cerca de 90% dos entrevistados responderam esperar conseguir bons descontos neste dia especialmente dedicado às ações promocionais.

No Brasil, o Black Friday acontece sempre na última sexta-feira de novembro. A ABComm – Associação Brasileira de Comércio Eletrônico estima que o evento, agendado para ocorrer no dia 24, venha a arrecadar R$2,5 bilhões durante as 24h de ofertas.

A pesquisa revelou alguns dados interessantes e relevantes para a elaboração de estimativas dos consumidores para este ano.

Quando questionados sobre os valores a serem gastos com as aquisições no referido dia, cerca de 41% dos entrevistados disse optar por valores acima de R$100; 28% planeja desembolsar entre R$201 a R$999; 12% pretende gastar de R$51 a R$100; 11% pensa em ficar entre os limites de R$101 e R$200; e, 5% não tem intenção de ultrapassar R$50 em compras.

Ao longo dos anos, quase 80% dos consumidores adotou a rotina de realizar pesquisas prévias antes da data em questão em busca de descontos e outras informações, seja por precaução contra más experiências ou pelas crescentes opções facilmente encontradas.

O levantamento mostrou que 72% dos participantes admitiram desejar efetuar suas compras em lojas físicas. Já 27% dos indivíduos afirmaram pretender fazer uso da internet para suas aquisições. Do total de entrevistados, cerca de 1% ainda não sabe o canal a ser utilizado.

De acordo com a pesquisa, os produtos que apresentaram os maiores índices de preferência e se destacam na lista de desejos dos consumidores são: eletrônicos (37%); roupas, acessórios e calçados (21%); telefonia (18%); e, informática (14%). Em seguida aparecem os pacotes de viagens (6%) e itens como brinquedos e material de construção (5%).