Empresa que atuava com assistência técnica aposta em formação de profissionais

Com a crise econômica, muitas empresas passaram por mudanças drásticas, inclusive no que diz respeito aos objetivos do negócio. Esse foi o caso de um negócio que começou com o objetivo de prestar serviços de assistência técnica de celulares. A empresa que era administrada por Kleber Mazzei e seu irmão Kevin, funcionou por quase quatro anos apenas como assistência técnica, até que em 2013 houve uma grande escassez de profissionais que pudessem atuar na área.

A empresa enfrentou o obstáculo de não ter mão de obra qualificada para contratar, então surgiu a grande ideia que reformulou todo o setor de trabalho da empresa, os empresários decidiram que iriam qualificar profissionais para atuar no setor de assistência técnica de celulares.

Sendo assim, a empresa mudou o objetivo que era assistência técnica para formação de profissionais voltados para a área técnica. Atualmente, a empresa que se chama KM Multi já consegue se manter no mercado e arrecadar mais da metade de sua receita através dos cursos ministrados. Os empresários revelaram que 65% de toda a receita da empresa é conquistada mensalmente através dos cursos.

O empresário Kleber disse sobre a necessidade de um curso de qualificação profissional: “Tem muita gente que conserta celular e nunca fez curso, que aprende vendo vídeos. Mas tem coisa que só se aprende na aula prática”.

Aos 31 anos de idade, o empresário Kleber que é formado em recursos humanos, administra a empresa KM Multi e atua no gerenciamento de marketing. Já seu irmão Kevin de 24 anos, que é técnico em eletrônica, atua na empresa na parte operacional para concertar os aparelhos que precisam de assistência e para formar os futuros profissionais para a área.

Quando a empresa começou a funcionar em 2009, apenas os dois empresários atuavam na assistência técnica de celulares. A partir de 2013 a empresa passou a empregar outros cinco funcionários, sendo eles dois professores, dois técnicos e um atendente.

O investimento inicial feito pelos empresários foi de R$ 10 mil para abrir o negócio de assistência técnica. Mas tiveram que investir 30 vezes mais para montar a escola de cursos, um total de R$ 300 mil. Contudo, atualmente a empresa já fatura R$ 80 mil todo mês com as mudanças realizadas, o que indica um crescimento de 16% já sentido no ano de 2016.