EMPREENDEDORISMO – uma qualidade indispensável no perfil de um profissional contemporâneo

Falar de empreendedorismo é dizer de um conceito que agrega qualidades indispensáveis à contemporaneidade e é ponto de pauta nos mais sérios debates sobre desenvolvimento econômico.
Já em 1942, o grande economista austríaco Joseph A. Shumpeter já refletia em seus estudos, publicados no livro “Capitalismo, Socialismo e Democracia”, a relação intrínseca entre o que vem a ser um empreendedor e as grandes questões que já envolviam à época o conceito de desenvolvimento econômico.
O espírito empreendedor pode ser erroneamente considerado como “um dom divino”, ou qualidade especial de alguns seres humanos. Na verdade, empreendedorismo é criação e aproveitamento de oportunidades. Envolve o desenvolvimento de habilidades, de qualidades e condições favoráveis para ganhar impulso.
Visão aguçada sobre a realidade, percepção sobre necessidades que pedem soluções inteligentes e acessíveis; dedicação a estudos sobre pontos fracos e fortes de produtos e serviços; criatividade e capacidade de administrar riscos; acesso a créditos, são condições favoráveis para o surgimento de empreendedores que surpreendem o mercado.
Para além de uma postura agressiva na competitividade, empreendedorismo está mais vinculado à compreensão de que nossa relação com o mundo se dá de forma dinâmica, sempre em busca de melhor qualidade de vida.
Um bom empreendedor compreende que a melhoria da qualidade de vida do cidadão não é só resultado do desenvolvimento econômico alcançado, mas condição indispensável para impulsionar o próprio desenvolvimento econômico, porque as pessoas com acesso a produtos e serviços inovadores e de qualidade sentem-se mais felizes e, portanto, mais produtivas naquilo que mais sabem fazer de melhor.
Empreendedorismo requer destemor em desconstruir o velho e dele forjar o novo, ou criar algo totalmente novo, pioneiro e autoral, que se apresente ao mercado como uma esperada solução para velhos e novos dilemas e problemas.
Esta disposição em observar o consumi

dor, seus variados perfis, necessidades e desejos, são o que move a inventividade de um empreendedor de destaque. Ele não se satisfaz apenas em estar plugado com o que dita a tendência. Ele é, antes de tudo, um pesquisador, um criador de tendências, de novos comportamentos de consumo, um desbravador de nichos.
E a pergunta se faz: quais são os negócios mais promissores em que o empreendedor é mais valorizado? A resposta é simples e direta: todos. A necessidade de transformação e desenvolvimento não tem território exclusivo. Vão desde uma iniciativa inovadora no ramo de alimentos ou da gastronomia, a exemplo do primeiro açougue vegano do Estado de São Paulo, até as surpreendentes inovações de empreendedorismo no campo das tecnologias comunicacionais.
O momento pede que empresários já reconhecidos e bem-sucedidos, e aqueles que dão seus primeiros passos, revisem seus conceitos, renovem suas práticas e partam para os novos tempos que o empreendedorismo criativo sempre anuncia.