Começar “do nada”: o empreendedorismo como pontapé na carreira pós-acadêmica

O título desse texto é uma chamada de atenção ao que ocorre com muitos universitários após pegar o diploma: e agora?

A tão sonhada vaga no mercado não aparece e, se aparece, é disputada à unhas e dentes. Uma das dificuldades de se iniciar o exercício da nova profissão é a falta da experiência. Então o jeito é aguardar uma promoção no emprego atual, ou conseguir algum que possa oferecer um plano de carreira que possa, no futuro, fazer valer aquele diploma. Mas, existe outra opção também, se o objetivo é obter retorno sobre o investimento na vida acadêmica. Empreender pode ser uma boa ideia.

É começando do nada, com a falta de recursos, que muitas pessoas tornam-se especialistas em suas profissões. Para isso, é preciso estabelecer um foco. O que mais importa: ganhar dinheiro rápido ou profissionalizar-se para assegurar ganhos também a longo prazo? Para ambas as opções, será necessário um pontapé inicial, que surge através do olhar empreendedor.

A principal essência do empreendedorismo está na capacidade do indivíduo de enxergar além do que se pode ver. Consiste também em partir de um “nada” em que, na verdade, encontram-se todas as ferramentas necessárias. Existe muito conhecimento acumulado que, após o baile de formatura, está pronto para ser colocado em prática. Com o mercado de trabalho estagnado, não basta somente arregaçar as mangas e ingressar em qualquer emprego esperando um dia uma promoção e a vaga dos sonhos. Até lá, a bagagem do saber pode ir perdendo peso e será necessário reaprender e investir novamente, principalmente no tempo. Nesse momento da vida, não é só o dinheiro que conta. Ele vem por consequência do esforço, e o sucesso vem em função do esforço bem direcionado. Primeiro o mérito, depois a recompensa. É chegado, portanto, o momento de assumir uma postura empreendedora.

Ainda que através do serviço voluntário, sem receber um centavo, mas sair da zona do conforto da “espera” e partir para a prática, transmitindo conhecimento, ensinando a quem precisa, aplicando, se atualizando, escrevendo sobre a profissão até mesmo nas redes sociais, mas empreendendo sempre. Nesse tipo de empreendimento, o investimento é o tempo e o retorno é a experiência.

Como todo bom empreendedor, é necessário, acima de tudo, ser um realizador que produz novas ideias através da congruência entre criatividade e imaginação (SEBRAE). Corresponde a essa postura também a determinação e o foco. O empreendedorismo, na linha do tempo entre a vida pós-acadêmica e o emprego dos sonhos, consiste em, urgentemente, encontrar alternativas para sair da teoria e ir para a prática, tornando o currículo cada vez mais robusto em experiências de criatividade e sucesso a serem relatadas para os vindouros recrutadores.