Saiba as diferenças entre Home-Office e Coworking

 

Uma das principais vantagens da internet é a possibilidade que ela tem de trazer um maior conforto para quem está optando por um modelo diferente de negócio. Para cumprir as tarefas profissionais da rotina não é mais necessário apenas estar enquadrado em um tipo de modelo tradicional de escritório. Quem busca por mais flexibilidade, economia e conforto para a sua empresa pode optar por duas formas de trabalhar: o home-office ou o coworking, cada um apresenta as suas vantagens, mas elas dependerão do perfil do profissional e do que ele busca.

Image result for Saiba as diferenças entre Home-Office e Coworking

Atualmente não é mais necessário que uma empresa tenha uma sede física em um lugar que seja um escritório, isso está abrindo um espaço maior para os novos modelos que possam surgir no mercado. Segundo Fernando Bottura, fundador da rede de escritórios compartilhados GoWork, é importante entender como funcionam os dois modelos para que o profissional saiba adequar a sua vida ao que mais está relacionado com a sua postura de trabalho.

Image result for Saiba as diferenças entre Home-Office e Coworking

No home-office existe a possibilidade de trabalho em casa, o que reduz os custos de aluguel com escritório e demais despesas que possam surgir de uma empresa em um local alugado ou comprado. No coworking o espaço de trabalho é compartilhado. Para reduzir ao máximo as despesas administrativas no home-office o benefício também é trazer um conforto maior durante o expediente de trabalho. De acordo com Fernando Bottura: “Com certeza isso é uma realidade, e outros benefícios também podem ser somados, como eliminação do tempo de deslocamento aos trabalhos e a possibilidade de ficar mais à vontade para criar”.

Dependendo do profissional é necessário estar atento para não perder o foco por estar trabalhando no próprio lar, assim como não se distrair com tarefas ou distrações que podem atrapalhar a produtividade no expediente, por isso se torna fundamental ter disciplina e foco em dobro para cumprir as demandas de uma rotina de trabalho. É necessário atentar que os custos domésticos também não serão os mesmos, pois haverá um consumo de recursos maior do que se tem em uma casa em que um home-office não é feito. Nos momentos em que os clientes precisarem visitar a empresa para uma reunião de negócios, é necessário ter um espaço totalmente adaptado para uma receptividade que transmita profissionalismo e seriedade.

Quem opta pelo coworking está diminuindo os custos de um escritório tradicional pois estará em um espaço compartilhado. Nem sempre o espaço compartilhado pode oferecer a estrutura ideal para o profissional, além disso será necessário usar o transporte para o deslocamento até o local mas um ponto positivo de destaque é que o profissional terá um ambiente que não trará as distrações existentes em um home-office. Dependendo do coworking existe espaço para receber clientes e até mesmo secretárias para atender os clientes, por isso é importante saber escolher o ambiente que mais trará benefícios durante a jornada de trabalho e assim ter a possibilidade de usufruir de todo o suporte que o espaço compartilhado oferece.

Marcio Alaor, executivo do BMG, reporta as principais dicas para empreender em 2017

Muitas pessoas começaram 2017 pensando nas possibilidades de empreender para fugir da crise. Por isso, é essencial ficar de olhos bem abertos nas pesquisas que abordam os assuntos relacionados.

Uma dessas pesquisas foi realizada pelo Sistema Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, o Sebrae, que trouxe dados interessantes sobre quais os tipos de empreendimentos ganharão destaque no cenário brasileiro no ano de 2017.

Reportando a pesquisa, o executivo do BMG, Marcio Alaor, para que os brasileiros fiquem atentos para irem nas melhores direções para começar o negócio próprio.

Entre os destaques que o executivo do BMG, Marcio Alaor reporta conforme as pesquisas, estão boas oportunidades nos ramos do vestuário, alimentação e conserto. Além destes, são citados negócios voltados às necessidades básicas e aqueles em que os custos com operação podem ser facilmente reduzidos.

O estudo do Sebrae leva em conta o perfil das novas empresas em anos recentes e, principalmente, no comportamento da economia durante o período de crise.

Chegando a estas conclusões, por meio da pesquisa, que os negócios voltados aos serviços se mantiveram em alta ainda que a crise financeira venha afetando o Brasil.

O executivo do BMG, noticia que a alta nestes setores se dá pelo crescimento da população que não deixa de consumir opções vistas como básicas.

Ainda que o poder de compra esteja bastante reduzido, as pessoas buscam opções mais econômicas, o que mantém o consumo em movimento. Marcio Alaor do BMG, recorda a importância na observação dos hábitos dos consumidores para que os novos empreendedores cheguem ao sucesso.

Segundo a pesquisa, o setor de reparação, como consertos de produtos, deve manter o crescimento alcançado nos últimos anos. E, a este fato, o executivo do BMG, Marcio Alaor reporta que pode estar associado ao crescimento do poder econômico das classes C e D, até 2014, o que resultou na compra de muitos produtos que atualmente não podem ser trocados por peças novas, obrigando os consumidores a recorrer a empresas de reparos.

Abaixo, temos a relação dos setores mais promissores para os próximos anos, sendo que, para chegar a estas conclusões, o Sebrae mapeou os empreendimentos com maior taxa de natalidade, ou seja, aqueles que apresentam uma maior probabilidade de novas e maiores demandas, como expõe Marcio Alaor, do BMG.

  • Alimentos e Bebidas: A abertura de negócios voltados à alimentação é um dos mais comuns em todo o país. E isto segue o fato de, embora com menor poder de compra, os consumidores não abrirem mão de se alimentar na rua – seja por necessidade profissional ou por lazer. Desta maneira, negócios voltados à preparação de alimentos, representação comercial, restaurantes populares, panificadoras, casas de laticínios e etc.
  • Vestuário: Confeccionar bijuterias trará ótimas possibilidades para aqueles que desejam o negócio próprio. Além disso, a revenda de roupas e acessórios populares manterão o crescimento.
  • Serviços relacionados à saúde: clínicas, ambulatórios, fisioterapeutas, nutricionistas, empresas de planos de saúde farmácias e óticas deverão manter a boa base de clientes e conquistar novos públicos, como aponta a pesquisa.

Além disto, a pesquisa do Sebrae aponta oportunidades para os setores de estética/beleza, serviços de informática e de construção civil.

A indústria do luxo é criada para satisfazer ricos na Índia

Muitas pessoas sonham em ter a melhor qualidade de vida através dos serviços que o dinheiro pode comprar. Na Índia existem redes que estão especialmente focadas em satisfazer os desejos dos ultra-ricos, o país cada vez tem mais milionários, são mais de 200 mil indianos que podem dizer que possuem mais de um 1 milhão de dólares em sua conta bancária. Sendo um dos países com mais pessoas no mundo não é de se admirar o número de ricos que crescem, principalmente se é levado em consideração o desenvolvimento econômico do país nos últimos 20 anos.

Por possuir esse número de milionários, a Índia acaba fazendo parte de um grupo de países que mais têm ricos em sua população, a sua posição é de 12° entre os países que possuem mais pessoas com acima de 1 milhão de dólares em suas recheadas contas bancárias. Apesar do número de milionários não ser representativo em relação ao número total da população, o país ainda consegue se manter como o 4° na classificação de mais bilionários no mundo. De acordo com a Forbes, são 84 pessoas que possuem mais de 248 bilhões de dólares.

De olho nessa parcela da população o mercado investiu em um serviço especialmente projetado para os super-ricos com a intenção de manter o luxo e o estilo de vida de pessoas da alta classe com produtos de ponta. São diversos os segmentos que se expandem para a classe rica, desde serviços de namoro, jatinhos, assessoria pessoal e até obras de arte estão fazendo parte do catálogo disponível no mercado.

O palácio de Udaipur, por exemplo, pertence a uma rede de hotéis e teve o seu espaço usado para um casamento que teve um orçamento de 18 milhões de dólares. Os milionários da Índia sempre desejam ter acesso aos melhores produtos e serviços que possam existir, mas não é sempre que têm o tempo necessário para comprá-los, o que é comum em qualquer parte do mundo, isso gera uma necessidade que o mercado luxuoso enxerga como oportunidade para oferecer serviços de assistência pessoal.

Para alcançar o máximo de exclusividade para os seus clientes a Quintessentially Lifestyle, que trabalha oferecendo um serviço de gerenciamento para os ricos, não hesita em conseguir os melhores lugares em qualquer evento que possa acontecer no mundo não importa o quão exclusivo seja, o cliente sempre terá a sua entrada VIP. Isso se aplica ao festival de música eletrônica Tomorrowland na Bélgica, a Fórmula 1 em Mônaco, ou o tapete vermelho no Festival de Cannes.

De acordo com o gerente da Quintessentially Lifestyle, Tanu Jain: “Temos uma rede de contatos que nos permite fornecer os itens mais difíceis em qualquer lugar do mundo”, ele confirma já ter conseguido uma raquete autografada de Roger Federer, e uma edição exclusiva da caneta de John Lennon para ajudar a fazer uma surpresa para uma pessoa amada.

Os ultra-milionários da Índia querem recordações para toda a vida, não importando as dificuldades que possam existir para a realização do sonho, como por exemplo um encontro romântico num iceberg para um casal, ou um aniversário surpresa em Paris com direito a quinhentas rosas, segundo Jain.